Preocupado com rompimento de barragem, DAE se reúne com a Vale e Defesa Civil do Estado

 

Publicado em: 27/03/2019 13:55 | Fonte/Agência: Prefeitura Municipal de João Monlevade

Whatsapp

 

Nessa terça-feira, 26, o diretor do DAE (Departamento Municipal de Água e Esgoto), Cleres Roberto de Souza, acompanhado dos servidores da autarquia Gilmar Rodrigues Dias (engenheiro civil), Laurentino Amador Silva (chefe da Divisão de Operação) e Heveline Cristina de Figueiredo Silva (chefe da divisão de Operação e Engenheira Ambiental), reuniu-se com o Tenente-Coronel Flávio Godinho, coordenador-adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais e membros da equipe ambiental da Vale, em busca de informações e medidas estratégicas emergenciais, em caso de rompimento da barragem de Gongo Soco, em Barão de Cocais, cidade onde aconteceu o encontro.

Cleres Roberto externou a preocupação do DAE, com relação à possível interrupção do abastecimento de água na cidade, pois o rio Santa Bárbara é a principal fonte de captação de água do município. É que, em caso de acidente, o DAE não teria outra alternativa exequível de abastecimento a curto e médio prazo, sendo que a longo prazo seria um custo altíssimo. Diante disso, o DAE solicitou que a Vale crie um plano de contingência para mitigar os efeitos de um possível acidente e paralização do abastecimento em João Monlevade.

O nível de segurança da barragem elevou-se para 3, devido à divergência de dois instrumentos diferentes de medição, que ocorreu em uma única medição no último dia 8. A Defesa Civil do Estado e a Vale informaram que, em caso de rompimento, a lama seria contida na região de São Gonçalo e Peti, e não alcançaria João Monlevade. O que ocorreria, seria o aumento do nível de turbidez. A Vale informou que, em caso de rompimento da barragem, toda assistência será prestada pela empresa, para garantir o abastecimento de água à população.

O DAE afirmou que já executa o monitoramento dos parâmetros e, mesmo assim, solicitou um plano de contingência para garantir o abastecimento de João Monlevade.

Ficou acordado também que o DAE fornecerá todas as informações sobre o sistema de abastecimento da cidade, como número de reservatórios, volume consumido, quantidade e localização da população atendida, entre outros detalhes, para que a Vale faça um estudo mais aprofundado sobre a situação. Cleres Roberto disse que será remarcada uma nova reunião entre o DAE e a Vale, objetivando-se alinhar o planejamento desse estudo.

Legenda: Representantes do DAE, da Vale e Defesa Civil do Estado discutiram sobre estudos e viabilidades de ações preventivas no local