Executivo não aceita aumentar preço da “passagem social” em João Monlevade

 

Publicado em: 02/02/2017 09:53

Whatsapp

 

 O CMT (Conselho Municipalde Transportes) realizou várias reuniões para analisar as planilhas quesugeriam o aumento nos preços das passagens de ônibus em João Monlevade.

Durante os encontrosrealizados, o secretário de Serviços Urbanos, Rivaldo de Brito, e o chefe doSettran (Setor de Trânsito e Transportes), Brenno Lima, representaram oExecutivo Municipal. Eles levaram a mensagem da prefeita Simone CarvalhoMoreira (PSDB), dando conta de que o Executivo Municipal só autorizaria oaumento no preço das tarifas desde que os preços fossem menores do que ospreços praticados em nossa região e na região do Vale do Aço. E, com relação à“tarifa social”, no valor de R$1,00, a prefeita não aceitava nem discutirqualquer possibilidade de reajuste da mesma, apesar de a Empresa concessionáriae o CMT terem “ventilado” a possibilidade de tal aumento.

Após várias discussões e,diante dos fatos expostos, depois de receber a proposta do CMT, no último dia31, o Settran encaminhou a solicitação ao executivo, que, nestaquinta-feira, 2, assinou o Decreto Nº 020/2017, com as tarifas nos seguintesvalores: de R$3,20 para R$3,50 (para pagamento em dinheiro); de R$2,90 paraR$3,30 (para pagamento no cartão Ensconcard); a “tarifa social” permanece com ovalor de R$1,00.

Os novos valores passam avigorar a partir do próximo domingo, dia 5.

A título de comparação, astarifas do transporte urbano em outros municípios ficaram acima dos valorespraticados em João Monlevade, como defendia a prefeita monlevadense. Em BeloHorizonte, por exemplo, o valor é de R$4,50; em Ipatinga, o preço é de R$3,80;em Itabira, a passagem custa R$3,65.